Pródromos da Clarissa

Continue reading

Advertisements

Estudando a gravidez prolongada por Melania Amorim

“Em nossa opinião, corroborada por outros autores (1,3, 9,14) as mulheres devem ser esclarecidas sobre riscos e benefícios associados com a indução do parto a partir de 41 semanas, e devem fazer suas escolhas depois da informação. Não há indicação de cesariana porque a gravidez ultrapassou 40 ou 41 semanas, mesmo com colo desfavorável, sendo que a controvérsia da literatura diz respeito apenas a expectar, aguardando o trabalho de parto espontâneo, ou realizar indução do parto. Continue reading

Doulas

Quem são as Doulas? 

O que significa “doula”:

A palavra “doula” vem do grego “mulher que serve”. Nos dias de hoje, aplica-se às mulheres que dão suporte físico e emocional a outras mulheres antes, durante e após o parto.

Antigamente a parturiente era acompanhada durante todo o parto por mulheres mais experientes, suas mães, as irmãs mais velhas, vizinhas, geralmente mulheres que já tinham filhos e já haviam passado por aquilo. Depois do parto, durante as primeiras semanas de vida do bebê, estavam sempre na casa da mulher parida, cuidando dos afazeres domésticos, cozinhando, ajudando a cuidar das outras crianças. Continue reading

Parto Ativo

O conceito de Parto Ativo foi desenvolvido pela educadora perinatal Janet Balaskas, a Inglaterra.
Parto Ativo significa que a mulher é quem faz o seu bebê nascer.
Não é o médico quem faz o parto.
Não é a parteira quem faz o parto.
É a mulher, seu corpo, sua mente e sua alma. Claro que não existe Parto Ativo sem uma equipe que aceite neutralizar sua participação em favor do protagonismo da gestante.

Portanto para um parto verdadeiramente ativo é necessário uma mulher ativa, um acompanhante (o pai do bebê ou Doula), um bebê e alguém que fique ao lado apenas verificando se tudo está bem, sem intervir no processo natural do nascimento (médico ou parteira). Continue reading

Preparação do Perineo

Períneo: o parto não é o vilão

Apontado como principal causa de disfunções sexuais e incontinência urinária entre mulheres, o parto é apenas um entre muitos fatores. A boa notícia é que existem maneiras de preparar o períneo para diminuir o risco de lesões
Como será o sexo depois do parto? E se a vagina ficar larga, frouxa? Essa preocupação, muito comum entre as mulheres – e homens, é claro – nos meses que antecedem a chegada de um filho, tem origem numa ideia arraigada na cultura brasileira: a de que a passagem do bebê pela vagina deixará os músculos flácidos, comprometendo a vida sexual da mulher.
Essa associação entre parto normal e danos permanentes ao períneo – musculatura ao redor da vagina e do ânus – também é comum entre os médicos, que assim aprendem inclusive nos livros. Um dos manuais de obstetrícia mais usados nas faculdades afirma que a passagem do bebê “raramente é possível sem lesar a integridade dos tecidos maternos, com lacerações e roturas as mais variadas, a condicionarem frouxidão irreversível do assoalho pélvico”.
Alguns profissionais, no entanto, contestam essa visão. Especialista em preparo perineal para o parto, a fisioterapeuta Miriam Zanetti começou a desconfiar dessa afirmação anos atrás, quando tratava incontinência urinária em mulheres na faixa dos 50 ou 60 anos. “Percebi que muitas delas tinham feito cesárea. Algumas nunca haviam engravidado”, conta. Continue reading

Banho de Balde – Ofurô

O banho do bebê pode ser um momento de relaxamento através da imersão em água quente como num delicioso banho de ofurô. Dar banho no balde, com água aquecida entre 37 e 38º graus cria uma sensação de retorno intrauterino, tornando o banho relaxante e analgésico, ajudando a amenizar cólicas e propiciar um bom sono ao bebê.Pode ser dado desde recém nascido, só como banho relaxante com o bebê embrulhadinho, ou nu, para que a higiene seja feita também. Para os recém chegados, o banho no baldinho – ofurô deve ser feito com a ajuda de mais uma pessoa, sendo que uma segura o bebê e a outra faz a higienização.Depois, quando o bebê começa a ficar mais firminho, dar banho no balde é muito mais fácil e tranqüilo, especialmente porque o bebê se sente muito mais seguro na posição semelhante à que ele estava no útero materno, fazendo com que ele adore o banho desde cedo!
No inverno, o balde se torna a melhor opção para que os pequenos não sintam o desconforto do frio durante o banho porque ficam submersos com a água aquecida até a altura dos ombros. É claro que nunca devemos deixar a criança sozinha na água, por nenhum momento, uma regra de segurança básica de qualquer banho para bebês, seja na banheira tradicional ou no balde. Continue reading

Massagem Thai para Gestantes

A  Massagem  Thai Yoga é uma modalidade terapêutica que chegou com o Budismo na Tailândia onde é praticada há séculos.É uma tradição oral e vem se popularizando no Ocidente.Recebeu na sua origem influências da Medicina ayurvédica e chinesa.Envolve uma combinação de alongamentos de yoga,acupressura e trabalho de energia com os meridianos sendo uma prática meditativa onde o praticante desenvolve um estado compassivo da mente,uma intenção de proporcionar um nível mais profundo de consciência de si mesmo e de quem recebe.
Diferente de outros tipos de massagem ela é praticada num colchonete no chão e a pessoa permanece completamente vestida durante a sessão que pode ter uma duração variável de acordo com a necessidade da pessoa,uma sessão curta de 45 min até uma sessão completa de 2horas ou até mais.
Benefícios para a mulher na gestação e no puerpério: Continue reading

Meditação para Gestantes

A gestação é um período criativo, não apenas porque literalmente seu corpo está gerando um novo ser, mas porque também suas emoções e seu inconsciente estão mais disponíveis para criar novas possibilidades, transformações. No entanto, no dia-a-dia, nem sempre a mulher tem a percepção da oportunidade maravilhosa que é este momento. Criamos este espaço de meditação para ampliar o nível de consciência das mães, ampliar a sensibilidade e a percepção com o auxílio de técnicas de meditação e relaxamento, para que possa aflorar todo o seu potencial criativo, a sua capacidade de transformação. A meditação em si é um estado, o fluxo de pensamentos diminui e você observa apenas o que está se passando aqui e agora, o momento presente. Este estado traz um profundo relaxamento e ao mesmo tempo a sensação de estar plena, completamente presente em seu corpo, sua existência. Nada melhor para alguém que dentro de alguns meses precisará muito dessa presença para cuidar de um outro ser. À medida que experimenta os estados meditativos, você vai se tornando mais atenta, pois sua capacidade de observação vai se aprofundando e seus sentidos vão se abrindo cada vez mais. Mais sensível, mas ao mesmo tempo mais centrada, a mulher vai se reconectando com sua própria força e se tornando menos suscetível às oscilações de humor.

Experimente o prazer de sua própria presença através da meditação!
Por:  Josie Zecchinelli